23 de novembro de 2017

Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Sensação Térmica – O que é isso?

O que é a sensação térmica – e como ela explica o frio intenso no Sul e Sudeste do Brasil.

Massa polar fez temperaturas despencarem na serra catarinense e no RS, enquanto, em Belo Horizonte, sensação chegou a -5ºC; especialistas explicam o que é levado em conta para calcular essa percepção climática.

Agora, é incontestável: o inverno chegou de fato. Pouco mais de uma semana após o início oficial da estação, os termômetros despencaram e ficaram abaixo de zero em cidades da serra catarinense e do Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Em São Joaquim (SC), uma estação meteorológica chegou a registrar -5,4ºC, e os campos da região ficaram cobertos por gelo. Urupema (SC), conhecida como uma das cidades mais frias do Brasil, registrou temperatura de -4,8ºC.

O motivo é uma massa de ar polar que chegou ao território nacional no início de julho. Segundo a empresa Climatempo, é a terceira massa polar mais forte do ano até agora.

O frio intenso foi sentido também em algumas das maiores metrópoles brasileiras. Nesta segunda-feira, ainda que o termômetros de Belo Horizonte indicassem 8,9ºC, a sensação térmica chegou a -5ºC em regiões da capital mineira, onde foram registrados ventos de até 78 km/h. E Brasília também pode ter uma sensação térmica negativa nesta terça-feira, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Mas o que é a sensação térmica? E como ela é calculada?

“É a diferença entre o que o aparelho (de medição) registra e o que o corpo humano de fato sente nas condições de um lugar em um determinado momento. Para calculá-la, usamos uma tabela que leva em conta algumas variáveis, como a temperatura e a intensidade do vento, no caso de temperaturas mais frias”, diz Manoel Rangel, do Inmet.

Quanto maior a altitude de uma cidade, mais comuns são as temperaturas baixas, como é o caso de Urupema, que fica a 1.750 metros acima do nível do mar.

“À medida que você se distancia do nível do mar, a atmosfera fica mais rarefeita. Há menos vapor em suspensão no ar, um dos componentes responsáveis por regular a temperatura, já que a água retém calor”, afirma Alexandre Nascimento, da Climatempo.

Vento e umidade

Mas, quando há vento de altas velocidades, como o registrado em Belo Horizonte, o frio fica ainda mais acentuado.

Nascimento explica que, no caso do calor, o que mais influencia uma sensação termina é a umidade.

“Nosso corpo usa a água liberada por meio do suor para se resfriar. Se a umidade no ar está alta, isso significa que há mais água no ambiente. Então, suamos menos, aprisionando o calor no corpo e criando uma sensação de abafamento”, afirma Nascimento.

O especialista explica como isso afeta, por exemplo, a cidade de Manaus, que fica em uma região muito úmida. “No verão, faz cerca de 30ºC por lá, mas, por causa da umidade da floresta, a sensação térmica pode ser de 10ºC a mais”, diz.

“Assim, 40ºC em Cuiabá, onde é mais seco, pode significar um calor menos ‘intenso’ do que 30ºC em Manaus.”

Os meteorologistas esclarecem, no entanto, que a sensação térmica é calculada levando em conta as condições médias do corpo humano. “É algo subjetivo, porque cada pessoa percebe a temperatura de uma maneira diferente. Uma pessoa com mais gordura corporal tende a sentir menos frio que alguém mais magro”, explica Rangel.

“O cálculo tanto do índice de calor quanto de frio é baseado em uma equação matemática que leva em conta as características médias da população. Se não fosse assim, seria preciso ter um termômetro para cada pessoa”, afirma Nascimento.

Fonte da Matéria – Portal G1 /https://glo.bo/2tHIS8N

 

Related posts